quinta-feira, 24 de maio de 2007

Coisinhas Simples


Hoje foi um daqueles dias que muitas coisas acontecem, nenhuma realmente importante ou extremamente legal. Enfim. Eu recuperei Física. E também fui no Shopping D, o que eu não fazia há bastante tempo devido a falta de aulas vagas para tal. Shopping é shopping, agente almoçou e (yey!) compramos mm's e um bonequinho do Mc por 1 real. Na verdade o chocolate já valia o dinheiro, então a felicidade zona leste foi completa. Melhor ainda foi meu mais novo vício, "The House of Dead", um jogo interessantíssimo no qual seu objetivo é atirar em monstros, com arminhas de brinquedo e tudo o mais. Semana que vem eu vou na Lords com a Tata passar a tarde inteira descarregando a raiva nos mosntrinhos. \o/ De volta a escola, passei duas aulas customizando meu lindo e querido All Star, assim como o já mencionado bonquinho do Mc, que deixou de ser "Shake" para virar "Mr. Dark Purple", com direito a boca remendada. Um povinho bebeu, outro arranjou confusão. E na volta para casa meu amigo chapado continuou a me ensinar Francês. É, eu sentia falta desses dias non-sense e extremamente simples, como se fossemos pessoas normais e tudo o mais.

quarta-feira, 16 de maio de 2007

In the cold light of... Day

Os dias se tornam cada dia mais estranhos, é fato. Meu gosto musical está cada dia mais estranho, assim como as pessoas ao meu redor e as coisas que acontecem comigo. Hoje eu voltei para casa de metrô e o céu estava claro e ensolarado. Hoje eu peguei ônibus e ainda não eram nem noite. E por mais que eu goste de sol e de chegar em casa cedo, metrô e ônibus sem céu escuro não é a mesma coisa, oh não. E isso está dentro de mim, assim como as milhares de coisas que eu tenho para falar mas não vou falar hoje. Talvez algum dia eu fale. Algum dia à noite.

terça-feira, 15 de maio de 2007

Greve e outras coisas sem sentido.

O metrô disse que ia entrar em greve amanha, mas no final não vai entrar. Eles deveriam ter vergonha, sabe? De acabar com minhas esperanças assim. Mas com isso dá para refletir em como eu dependo dele. Na verdade, eu só falo do metrô para reclamar do quão lerdo/lotado ele é, e sobre como ele quebrou a tela do meu Mp3. Pobre metrô, agilizando minha vida todos os dias, promovendo a integração social e eu o tratando assim. Por essas e outras ele deveria entrar em greve.
Enfim, eu não faço nenhuma questão de ir para escola as quartas. A manhã interia só tem aula do técnico e nada de interessante no jardim. A tarde até que melhora, com literatura e qúimica. Mas que é um dia dispensável isso é. Além disso amanhã eu vou ter que fazer bancada com um ser que ultimamente se absteve de falar comigo, ou seja, o clima vai estar ótemo. Mal posso esperar.
Ah, o RockGol. Pois é, eu não fui. Eu acordei, olhei para o relógio, para minha cama, mandei uma mensagem de texto para minha amiga dizendo que não ia e voltei a dormir. Uma vergonha, nessas horas eu lembro da minha irmã falando "Olha sua vida passando", e eu só consigo pensar no meu sono.
A vida vai indo, sabe. E vai, e vai, e você escreve coisas nonsense no blog para não falar de como você gosta de uma pessoa, ou de como está com raiva de outra, afinal, vai que ela acaba encontrando isso aqui, não?
O metrô diz que vai entrar em greve semana que vem, a USP está em greve, daqui a pouco a Federal começa uma também. Eu vou entrar em greve.

domingo, 13 de maio de 2007

Sobre o que ninguém quer ouvir II

Estava demorando...

Para eu falar da minha tão odiada escola. Hoje começa a sessão desespero. É só eu pensar em algo que me lembre escola, provas ou lição de casa e o desespero começa, ou seja, meu cérebro começa a gritar "Socorro, socorro, você não sabe nada, você vai repitir de anooooo!" de uma maneira muito frenética e aterrorizante. Sério.
Agora começou a onda "Sua rec de física é semana que vem, você nem tocou no livro e amanhã ainda vai no Rockgol!" (Yeah yeah amanhã eu vou no rockgol! XD). Então uma outra voz diz "Calma, vai dar tempo, você ainda tem bastante tempo para estudar, dá para você pedir ajuda para muitas pessoas, dá para você colar!". Mas a primeira sempre ganha.
Bom, no trimestre passado adiantou, sabe? Eu cheguei a me desintegrar em lágrimas por causa de ELA e no final eu fiquei com a maior nota da sala. E eu só peguei uma rec, a maldita Física. Física. Físicaaaaa! É uma matéria do ensino médio, como pode?!
O pior é que eu nem posso mais reclamar disso com as pessoas. Estou jurada de morte entre meus amigos se eles ouvirem as palavras "Recuperação", "Repetir de ano". Ninguém tem paciência comigo, Chaves, eu te entendo.
O melhor de tudo é que mesmo assim eu continuo fazendo coisas inúteis, como escrever fanfics, ver filmes, baixar músicas e passar um final de semana inteiro na frente do computador. Não há esperanças para pessoas como eu. Haha
Sério, vou pedir para minha mãe para ir no pscicólogo. Amanhã...

sábado, 12 de maio de 2007

"Pelos amigos que ainda não conhecemos"



Uma pergunta me ocorreu hoje. Por que eu gosto dos filmes da Barbie?
Sério. É muito fácil eu não gostar de um filme. No final de semana passado eu sai do cinema sem saber se chorava ou ria diante de uma certa produção nacional. Até de filmes que todo mundo gosta eu falo mal. Mas eis que o Essebesteira diz que vai passar um filme da Barbie sábado de manhã que eu me programo para assistir. E eles são sempre a mesma coisa. A Barbie se veste do rosa, é incumbida de uma missão, se põe a prova, mostra o quão fodástica ela é, encontra um cara bonitinho e é feliz. Ponto. E mesmo sendo assim eu já devo ter assistido quase todos, a começar pelo "Quebra Nozes" e terminar no "Fairytopia" de hoje.
Cogitei ser por causa da minha única Barbie na infância, que não tinha nada de legal. Mas eu nunca brincava com ela, então nem fazia falta. Pensei também que era por causa da falta de contos de fadas na minha vida, mas ontem eu assisti A pequena Sereia e achei um porre. Tem algo na Barbie, alguma mensagem subliminar que eles mandam para as crianças e que meu cérebro acabou captando. Só pode ser. E a propóstio, Mermaidia é mais legal.

Sobre o que ninguém quer ouvir

Então eu queria um post de efeito. Mas eu e o last.fm percebemos que tenho ouvido as mesmas quatro músicas há 1 hora. E por algum motivo nada do que eu tenho para falar parece relevante o bastante. Na verdade o tipo de coisa que eu falo para todo mundo mesmo sabendo que eles não querem ouvir. Coisas como meus projetos de fanfic, a voz do Brian Molko, o final do livro que eu estava lendo, o nome da cor do meu esmalte. Mas este é meu blog, aquele que ninguém vai ler. E eu poderia cometer quantos assassinatos ao Português eu quisesse, e colocar todas as letras do Placebo que querem dizer algo para mim. Mas eu só vou dizer que a de hoje seria Follow the Cops Back Home e que eu queria muito estar de novo no show deles a ouvindo. Amanhã eu volto.