terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Apaixonada e louca (principalmente louca)

Eu estava ouvindo Lana del Rey no ônibus e pensando nesse blog, quando eu concluí que o post mais engraçado que eu já devo ter feito foi esse, e que ele era engraçado porque resumia basicamente o nível de falha em que opera a minha vida. Eu teria feito mais posts parecidos se eu tivesse algum tipo de atividade amorosa acontecendo, o que não foi o caso ano passado. 2011 meio que foi bem focado em questões profissionais, e deu certo. No resto, foi o mesmo de sempre, o que por algum motivo levou pessoas a concluírem que eu era lésbica, e infeliz.
Segundo a Susan Miller isso vai mudar. Se você não sabe quem ela é, procure no google. Se sabe e está me julgando agora por acreditar nisso de horóscopo, vou só dizer que ela descreveu com exatidão o maior evento que rolou comigo ano passado, que foi mudar de área na empresa para a que eu sempre quis trabalhar. Olha, exatidão. Porém, por algum motivo, ela nunca acertou nada no quesito romântico. Eu leio os forecasts dela há um ano, e os dias do amor* raramente funcionam.
(Dias do amor são os dias que a Susan Miller coloca no final da previsão do mês como "romantic dates". Como eu não tenho nada melhor para fazer da vida, tenho o costume de marcá-los no calendário (com coraçõezinhos e tudo, porque falha pouca é bobagem) e acompanhar. Posso dizer que não sou a única.)
Eu tinha até desistido  e assumido que o forte dela é a questão profissional, mas o horóscopo de fevereiro e a minha natureza ingênua e facilmente iludida me fizeram voltar a ter esperanças. Então que Netuno entrou na minha casa do amor e vai ficar pelos próximos 14 anos, o que é uma ótima coisa. Pelo menos agora eu posso dizer que até agora as coisas não davam muito certo porque oras, Netuno não estava na minha quinta casa. Totalmente aceitável.
Nos últimos tempos eu só tive dois interesses amorosos relevantes. Um foi o F., e não vale a pena falar sobre ele. O outro foi o R., com quem ao falar do meu interesse por ele para a Talita ela reagiu dizendo "Você tem que namorar ele, vocês são perfeitos um para o outro!". Inclusive foi ela que abriu meus olhos para o imbecil que ele é, mas isso foi depois de muitas noites na Outs vendo clipe do Fratellis e pensando nele. Enfim. Também teve o D., aka Bonitão do Rock(sério, olha isso, a mentalidade dessa pessoa que vos escreve). Ele não entra na conta porque ele nunca foi uma opção viável, apesar de eu e Talita, cujo respectivo futuro namorado é o Tchuchuco do Rock, gastarmos uma boa quantia de tempo discorrendo sobre nossos relacionamentos imaginários com eles. 
Depois desse horóscopo da Susan eu fiquei atenta para o que poderia acontecer de novo. O primeiro dia do amor coincidiu com minha primeira aula de sábado, onde eu tomei conhecimento de L. Eu não dei muita atenção para ele de início, mas tendo sido a única pessoa nova que eu vi naquele dia, assimilei que podia ser ele a quem Susan se referia. L. está em todas, repito, todas as minhas aulas, e eu não consigo parar de olhar para ele. É algo na postura descontraída e confiante dele, ou no fato dele nunca ter olhado para a minha cara.
O segundo foi um dia em que eu esbarrei no R. e descobri que ele voltou a estudar na faculdade. O terceiro caiu no show do Bonitão do Rock, onde eu falei com ele e inclusive ganhei um abraço. Ou seja, nesses 21 dias de Netuno na minha casa do amor já aconteceu mais coisa do que 2011 inteiro, então eu posso afirmar com alguma propriedade que há algum sentido no que Susan Miller diz. 
Amanhã começa a ~semana do amor~, onde os sete dias foram marcados como de grande potencial romântico. Até o final do mês eu volto para falar se alguma coisa aconteceu neles, mas de qualquer jeito fica essa maravilhosa atualização e introdução aos personagens que compõe uma vida amorosa que, quem é esperto percebeu, só existe porque eu tenho uma grande imaginação. É isso, esse post está gigante, mas eu sei que você chegou até aqui porque todo mundo adora saber da vida alheia, e devido ao potencial humorístico disso que eu chamo de existência.