segunda-feira, 26 de março de 2012

Jogos Vorazes, Lollapalooza

Eu sei que no post passado eu falei sobre romance e tal, e disse que continuaria dando atualizações sobre o que acontecesse nessa minha movimentada vida amorosa, mas a questão é que (novidade!) não aconteceu nada. E eu parei de me importar com essas coisas, porque né, mais para fazer na vida. Mas se por acaso eu passar por mais uma dessas situações toscas, eu conto aqui, porque eu gosto de fazer as pessoas rirem.
Aí que eu também não vou falar sobre os livros/filme dos Jogos Vorazes. Está em todo lugar, todo mundo já falou. O assunto é outro.
Estava eu na madrugada de sábado com a Talita, embaixo de chuva, no meio de uma pequena multidão espremida em uma calçada da Rua Augusta. Estávamos na fila do Beco, onde o Sugar Kane tocaria Foo Fighters, mas tudo atrasou e tinha muita gente e estava caindo o mundo, então a situação ficou aquele caos. Foi quando eu olhei para a Tata e disse "Se eles querem fazer um filme de verdade dos Jogos Vorazes, eles deveriam gravar as pessoas no Lollapalooza, porque se isso aqui está assim, lá vai ser matar ou morrer".
O Sugar Kane é uma banda que eu já vi tocar, pelo menos, uma meia dúzia de vezes, a maioria na Outs. As pessoas que estavam no sábado não estavam lá para ver exatamente eles, e sim para ouvir Foo Fighters. Quem já passou na frente sabe que aquele lugar é um inferno para entrar todo sábado, mas é de se esperar que em um particularmente chuvoso, e duas horas e meia de espera depois, só quem quisesse mesmo iria perseverar. E muita gente queria mesmo. Ficou comprovado quando, no show, o Capilé perguntou quem lá ia no Lollapalooza, e basicamente todo mundo gritou em resposta.
Ou seja, o que eu vi foi uma amostragem do que vai acontecer em menos de 15 dias.
Claro que se eu só fosse para ver as bandas de longe, sem pretensões de enxergar eles de verdade, eu não teria muito com o que me preocupar. Mas o plano não é esse. O plano é, pelo menos no sábado, pelo menos no show do Foo Fighters, estar lá perto. Não temos esperanças de conseguirmos fazer o mesmo no domingo, mas no primeiro dia sim. E para conseguir isso vai ser uma batalha de verdade.
Com isso em mente, resolvemos nos preparar antecipadamente, e montar um plano de ação. Vejamos primeiro o terreno onde se dará a luta:
O plano básico é ficar na entrada mais próxima e quando abrirem os portões, nos dirigir o mais rápido possível para o ponto 1, onde ficaremos das 12h às 20h30, quando o show supostamente começa. Nossa única movimentação no período vai se dar a fim de conseguir melhores lugares, ou com a desistência alheia ou com o povo passando mal. Nós não podemos passar mal. Não podemos ir no banheiro, nem ir comer em algum outro lugar. Teremos que segurar as 8h com os 3 copos d'água e os 3 alimentos industrializados que a organização libera por pessoa. Necessidades fisiológicas não são uma opção.
Isso ainda não garante uma visão decente do palco, porque não podemos subestimar os adversários. Eles são muitos, e também estarão preparados. Porém, nós temos nossa própria habilidade especial, conferida após uma década de utilização de transporte público em São Paulo. 
Ainda precisamos nos reunir para fazer a lista do que levar na mochila, de como iremos no preparar um dia antes (felizmente, um feriado), que horas iremos nos encontrar, como iremos para o Jockey, e o que faremos para suportar as 8 horas em pé e esmagadas, como faremos que nossa amizade sobreviva a isso. 
Felizmente, no domingo, a história vai ser outra. Conscientes de nossas limitações, esperamos apenas passear pelo festival, ver as bandas de longe mesmo, no telão, sentar, descansar, aproveitar o dia. É horrível, para mim, não poder dar prioridade para o Arctic Monkeys, mas se teve algo para que o show desse sábado serviu, além de me deixar com dor nas costas e estragar meu All Star, é reviver nossa ansiedade e expectativa para o show. Porque se no Beco, com o Sugar Kane tocando, o show já foi foda, no Lollapalooza, com o Dave Grohl e mais gente na platéia do que eu ouso pensar, vai ser muito, muito melhor. 

Um comentário:

gustavo disse...

YOU GO, GIRL!
Faz a Katniss e vence essa edição!
xx