domingo, 29 de abril de 2012

As notícias

Minha vida está... Tranquila. Tirando meu projeto de Tecnologia da Estampagem, com data de entrega para este sábado e que cada vez que eu me lembro dele eu sinto o início de uma sensação de desespero, está tudo bem. Normal. Amanhã vou ver meu pai e novamente, o que mais me preocupa é perder dois dias que poderiam estar direcionados ao projeto, mas não ter como fazer nada relacionado a ele também é bom. Ontem eu passei o dia na faculdade fazendo esse projeto. Hoje eu deveria ter feito também, mas o dia estava feio, quase ninguém ia no Centro Cultural, eu estava cansada e acabei passando o dia lendo e assistindo um documentário chamado Miss Representation, que é ótimo. Eu postei no meu outro blog um texto que estava parado há um mês por pura preguiça minha de digitar, e não tenho muito o que escrever aqui, mas pensei que seria bom atualizar também. 
Essa é a minha vida atualizada: Eu só me interesso por gente comprometida, o que deve ser um mecanismo do meu próprio cérebro para fazer eu não perder tempo com essas coisas. Estou tentando acordar mais cedo para ir para a estação caminhando e dobrar minha cota de exercícios físicos. Passei os últimos dias enlouquecendo com um problema respiratório de origem psicológica, que desaparecia toda vez que eu esquecia dele. Estou lendo outro Murakami, a Talita gostou do último álbum do Beirut (o que me deixa muito, muito feliz), minha mãe acha aceitável perguntar se o House vai pegar a Cuddy, eu resolvi que tiro fotos. 
E é isso.

domingo, 15 de abril de 2012

Você pagou esse valor pra sofrer pela música?

Eu não sei o que falar aqui porque não tem o que falar, ou como explicar para quem não estava lá. O sol do sábado, a grade, o Foo Fighters, a chuva do domingo, o vento, os relâmpagos, o frio, os Arctic Monkeys. A perturbação emocional no decorrer dessa última semana. Não sei o que isso diz sobre mim, mas eu iria de novo, sabendo de tudo, faria tudo de novo, do mesmo jeito. Como eu disse para quem me fez essa pergunta, quando eu for mais velha e não aguentar ficar um dia embaixo do sol, eu guardo o dinheiro.


and I wonder, when I sing along with you, if everything could ever feel this real forever, 
if anything could ever be this good again